Tenho que começar por dizer que esta tarte é deliciosa! Pronto, está dito! Mas também tenho que reconhecer que dá um bocadinho de trabalho. É daquelas sobremesas para fazer numa ocasião especial, num dia de festa ou, simplesmente, quando estiverem com paciência e algum tempo. Uma tarde de domingo chuvosa, em que não apetece sair de casa, nada de especial para fazer… E vamos lá fazer a tarte, vão ver que vale a pena!
Chamei-lhe “Tarte de Pêra Rocha do Avenal” porque as peras são mesmo provenientes do Avenal. No terreno dos meus pais existem duas pereiras que dão frutos suficientes para comermos e ainda inventarmos o que fazer com tanta pera. Por isso surgiu esta tarte, uma ideia do meu marido e uma realização minha, que tanto sucesso faz entre familiares e amigos.

Com tantos elogios à tarte, resolvi concorrer com ela ao concurso on line do Continente “Chefs lá de casa”. E não é que fui selecionada? 🙂 Irei brevemente apresentá-la ao júri para degustação e tentarei passar à fase seguinte. Prometo dar novidades sobre o assunto. Entretanto, como eu tenho que praticar para o dia do concurso, pode ser que vocês também queiram experimentar. Fica a receita!

Tarte de Pêra Rocha do Avenal

(para uma tarteira de tamanho standard)
Massa: 250 gr farinha sem fermento, 150 gr margarina, 100 gr açúcar, água fria qb
Recheio: 5 a 7 pêras rocha (conforme o tamanho do fruto), 4
gemas, 1 dl natas, 2 dl leite, 6 + 3 colheres sopa de açúcar, uma vagem de
baunilha, 1 pau de canela e canela qb para polvilhar. Mel ou geleia e pera para pincelar no fim.
Amassar todos os ingredientes da massa
e moldar uma bola que espera no frigorífico enquanto se faz o recheio. Em relação à água, devemos pôr apenas um pouco, uns borrifos, só para conseguir a consistência certa. A massa não deve ser trabalhada demais, deve ser amassada apenas até estar elástica e com boa consistência. Se tiver um processador de alimentos ou bimby poderá amassar aí e depois dar o “último toque” à mão. Eu faço à mão 😉
Depois devemos descascar as peras e cortá-las ao meio, cozendo-as com pouca água (2,5 dl sensivelmente), 3 colheres de sopa de açúcar, um pau de canela e as sementes de uma vagem de baunilha. Podemos retirar as peras assim que estejam cozidas para não se desfazerem e deixamos a calda ao lume para reduzir um pouco e ganhar mais aroma. Cortamos as peras em tirinhas e reservamos tudo.
De seguida, bater as gemas com as natas. Juntar o
leite, o açúcar e 1 dl de água da cozedura das pêras. Levar ao lume a engrossar um pouco de forma a fazer uma espécie
de creme inglês.
Estender a massa com o rolo e forrar a
tarteira, reservando cerca de um quarto da massa. Colocar papel vegetal ou de alumínio por
cima da massa e feijões secos para fazer peso e levar ao forno a 180º por 12 m. Retirar
e arrefecer um pouco.
Colocar por cima da massa as peras em
tirinhas ou quartos, de forma a cobrirem toda a base da tarteira e depois polvilhá-las com canela em pó. Por cima das peras, colocar o creme e, por
fim, as tirinhas de massa a fazer losangos.
Levar ao forno até estar douradinha e o recheio cozinhado. (Forno entre os 190 e os 200º conforme o aparelho, tendo cuidado para não ficar queimada por cima).
No fim, pincelar as tiras de massa com geleia ou mel. Eu faço geleia com os caroços e cascas das pêras e junto vinho do Porto, fica uma delícia.

Deliciem-se com mais esta paparoca 🙂